Direto da Rio+20: Especialistas cobram compromisso com as Licitações Sustentáveis

A notícia, da Folha de São Paulo, nada mais reflete o que já se tem visto, discutido e defendido aqui: a forte contribuição que as [Licitações Sustentáveis] podem dar para o desenvolvimento  do país num caminho mais sustentável.

Registro que são palavras da própria Gro Brundtland, considerada a mãe do "Desenvolvimento Sustentável", precursora desta temática, com o seu badalado relatório, reforçando o que os especialistas elegeram como uma recomendação necessária. Segue a matéria:
"Especialistas que participaram dos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável na manhã deste domingo (17) elegeram as compras públicas sustentáveis como uma das três recomendações da sociedade civil para a Rio+20 na área de produção e consumo.

Organizados pelo governo brasileiro, os Diálogos fazem parte da programação oficial da conferência e contam com dez paineis sobre temas considerados prioritários para o desenvolvimento sustentável. Cada um desses paineis tem como missão selecionar três recomendações que depois serão levadas aos chefes de Estado e de governo que participam do encontro de cúpula.

As outras duas recomendações escolhidas na manhã deste domingo foram a incorporação de dados ambientais e sociais no cálculo do PIB (eleita pelo público presente ao debate) e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis e o desenvolvimento de incentivos fiscais verdes (escolhida em votação pela internet).

Ao anunciar o resultado da votação em coletiva de imprensa, a ex-primeira-ministra da Noruega, Gro Brundtland, explicou que a questão da inclusão de critérios de sustentabilidade nas licitações para a compra de bens e serviços do setor público pode funcionar como um catalizador de mudanças no mercado.

'Na União Europeia, 16% do investimento total passa por esse processo [de licitação pública]. Na América Latina, são 20%. Portanto, isso pode ter uma influência muito grande sobre a economia', disse Brundtland, que é considerada "mãe" do conceito de desenvolvimento sustentável - foi uma comissão presidida por ela na década de 80 que o definiu como aquele capaz de satisfazer as necessidades da geração presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem suas próprias necessidades.

Para o diretor-presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, porém, apenas diminuir os impactos ambientais negativos dos produtos não será suficiente para fazer frente aos desafios atuais. Ele defende que, além disso, é preciso mudar os padrões de consumo da humanidade.

"Isso não significa diminuir o bem estar das pessoas", diz. Para ele, o consumo passará por uma revolução nos próximos anos, com produtos duráveis substituindo os descartáveis, produtos virtuais tomando o lugar de reais (como no caso do MP3 e dos CDs) e o uso compartilhado substituindo o uso individual (como no caso de um sistema público de transporte por bicicletas).

Também presente ao debate, a fundadora da empresa francesa de consultoria em sustentabilidade Utopies, Elisabeth Laville, disse que será preciso rever o "american way of life", marcado pelo consumismo. "Ele traz custos para o planeta, e as pessoas não estão vivendo mais nem mais felizes por causa dele", afirmou. (G.N.).

Fonte: Folha de São Paulo - 18.06.2012.


0 comentários:

Licitações Sustentáveis © Copyright 2010-2016. Todos os direitos reservados l Design by Leonardo Ayres l Tecnologia do Blogger