Compras e construções sustentáveis em Portugal

Compras e construções sustentáveis ganham visibilidade em Portugal 

Temos acompanhado com atenção o desenvolvimento do tema Licitações Sustentáveis em Portugal. O assunto tem despertado grande interesse por parte da comunidade especializado deste país. Além da influência constante da Comunidade Européia, o despertar da consciência dos portugueses demonstra que este é um caminho sem volta, do qual depende o futuro de nosso planeta. Abaixo, seguem exemplos de como Portugal tem empreendido esforços para implementar as Licitações Sustentáveis:
As compras sustentáveis têm vindo a merecer interesse crescente por parte da administração pública local e central e tem-se mesmo assistido à introdução de critérios ambientais nas compras públicas.

Por parte da administração local, já existem bons exemplos de organizações que apostam na integração da dimensão ambiental nas suas aquisições, muitas vezes com apoio dos decisores políticos.

No caso da administração central, a Agência Nacional de Compras Públicas coloca já, nos seus acordos quadro, alguns critérios ambientais. Todavia, assiste-se «ainda à falta de uma estratégia de compras sustentáveis nestas organizações», refere Paula Trindade, da Unidade Produção-Consumo Sustentável, do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), ao AmbienteOnline.

Para incentivar o desenvolvimento de compras públicas sustentáveis, segundo a especialista, é necessário políticas públicas tendentes a uma estratégia de compras sustentáveis por parte das outras organizações do Estado, como é o caso da Estratégia Nacional de Compras Ecológicas, bem como as directivas e comunicações da União Europeia. Pode-se, ainda, consegui-lo através de outras iniciativas, como por exemplo, projectos de demonstração que mostrem às organizações como implementar estratégias de compras sustentáveis e depois disseminar os resultados.

O tema das compras públicas sustentáveis estará em destaque no próximo dia 25 de Março, numa conferência organizada pelo LNEG, no Campus de Alfragide. A rotulagem ambiental como instrumento de mercado, iluminação pública LED, veículos eléctricos e estratégias de envolvimento do mercado para a inovação serão alguns dos temas a abordar.

Nova ferramenta de avaliação e certificação da construção sustentável lançada em Portugal

A Ecochoice e o iiSBE Portugal, em cooperação com o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), apresentaram em Lisboa a ferramenta de avaliação e certificação da construção sustentável SBToolPT. Avaliar e classificar o desempenho de um edifício face às melhores práticas e à prática convencional é a grande valência da SBToolPT, de abrangência internacional.


A metodologia implementada na ferramenta SBToolPT tem por base a estrutura do sistema internacional de avaliação da sustentabilidade SBToolPT (Sustainable Building Tool).

«O SBTool é um sistema internacional, voluntário, de avaliação e reconhecimento da sustentabilidade de edifícios», explica Isabel Santos, administradora da Ecochoice. Este sistema, desenvolvido pela associação sem fins lucrativos iiSBE (international initiative for the Sustainable Built Environment), é o resultado da colaboração em consórcio de equipas de mais de 20 países da Europa, Ásia e América.

O sistema SBToolPT está dividido em três dimensões que englobam nove categorias e 30 parâmetros. No caso da dimensão ambiental, estão englobadas as categorias alterações climáticas e qualidade do ar exterior; biodiversidade, energia, utilização de materiais e produção de resíduos sólidos e consumo de água e efluentes. Ao nível da dimensão social estão abrangidos os parâmetros de conforto e saúde dos ocupantes, bem como a acessibilidade e a sensibilidade e educação para a sustentabilidade. Já a dimensão económica contempla a avaliação dos custos de ciclo de vida dos edifícios (custo inicial e custos de operação).

Primeiros casos avaliados

Actualmente, já estão avaliados os primeiros casos para certificação pelo SBToolPT. Trata-se dos empreendimentos de Armação de Pêra e de Ponte da Pedra, que marcaram o arranque da aplicação da ferramenta em Portugal.

Segundo Teresa Ponce de Leão, presidente do LNEG, neste momento a certificação segundo esta metodologia é voluntária pelo que se está a fazer um enorme esforço de disseminação aos interessados do sector no sentido de explicar as suas mais-valias, nomeadamente como é possível construir melhor e com menores custos, não pensando apenas no curto-prazo mas sim nos ganhos ao longo do tempo de vida útil dos edifícios.

«Se envolvermos todos os intervenientes do sector da construção, desde os produtores, aos consumidores até ao legislador do edificado, transmitindo as vantagens deste sistema e comprometendo todos os actores, seguramente poderemos traduzir esta filosofia de construção em normas que permitam comparar os produtos do mercado», afirma a responsável pelo laboratório tutelado pelo Ministério da Economia e da Inovação.

«O LNEG, para além ter em curso a avaliação do seu edifício Solar XXI segundo esta metodologia, quer ser um parceiro activo na aceleração desta metodologia como uma boa prática na construção», acrescenta ainda.


0 comentários:

Licitações Sustentáveis © Copyright 2010-2016. Todos os direitos reservados l Design by Leonardo Ayres l Tecnologia do Blogger